quarta-feira, 2 de setembro de 2015

Você é meu ex


  Oi.
Sou seu ex.
Na verdade você é meu ex.
Ex é aquele que antecede.
Sou o seu ex, do ex, do ex, do ex. Se é que isso realmente existe.
Depois de mim você namorou três ou quatro vezes, acompanhei tudo secretamente pelas redes sociais.
Começamos a namorar em 2012 e terminamos no mesmo ano.
2012 foi um ano maluco, não é mesmo? O mundo iria acabar. E não acabou. Nosso namoro, esse sim, acabou. Eu cheguei a pensar que a minha vida também fosse acabar, mas veja só: 2015 chegou e eu ainda estou aqui. Profecias erradas.
Namoramos poucos meses.
Você me fez tão feliz.
Nunca havia me apaixonado tanto.
Eu dormia sorrindo e acordava com um sorriso ainda maior.
Você era o meu primeiro e meu último pensamento do dia.
O nosso primeiro beijo arrepiou a minha alma e você perdeu o fôlego, lembra?
Você tão incrivelmente lindo.
Você tão incrivelmente seguro.
Você.
Só você.
Mas aí você me traiu.
Me traiu com um colega de trabalho.
Me traiu com um colega de trabalho qualquer.
E me destruiu.
E foi embora.
Partiu sem se importar.
Frio.
Calculista.
"Homem foge sem prestar socorro."
Manchete no jornal da vida.
Da minha vida.
Que já não tinha mais sentido.
Eu eu fiquei em estado de choque.
E comecei a fumar.
E bebia pra não lembrar.
E fumava pra tentar me acalmar.
E bebia porque eu lembrava.
E fumava porque não esquecia.
E bebia porque não me acalmava.
E fumava cada vez mais.
E bebia pra tentar esquecer.
E não esquecia.
E não me acalmava.
Então comecei a sair.
Meus amigos me arrastaram pra balada.
E eu te reencontrei por lá.
E você estava tão feliz.
E você estava tão lindo. 
E eu só queria te abraçar e dizer:
- Tudo bem eu te perdoo, errar é humano, vem aqui, vamos tentar outra vez.
Mas você abraçou outro cara
E beijou esse cara.
NA-MINHA-FRENTE.
E me destruiu novamente.
E eu bebi e fumei ainda mais.
Porque me traiu com o seu colega de trabalho se não tinha intenção de ficar com ele?
Me traiu só por trair?
Quem é esse cara que você está beijando?
Eu tinha tantas perguntas pra te fazer.
Eu tinha tanta dor dentro de mim.
Eu estava tão frágil.
E passei a ter raiva.
E um dia você me ligou.
Eu ouvi a sua voz.
E a raiva passou.
Mas você só perguntou pelo seu óculos.
Que não estava comigo.
E desligou.
E começou a namorar com outro cara.
Que não era o colega de trabalho, nem o cara da balada.
E você estava tão vivo.
E encheu o instagram de fotos.
E legendou as fotos com palavras de amor.
E terminou o namoro.
E encheu o instagram com fotos na balada.
E começou a namorar com uma outra pessoa.
E o ciclo era sempre o mesmo.
E eu fui murchando aos poucos.
Fui morrendo lentamente.
Tive que focar no trabalho.
Pra não morrer por inteiro.
E trabalhei muito.
E fui promovido.
Uma. Duas. Três vezes.
E só trabalhava.
E te acompanhava de longe.
Acho que gosto de sentir dor.
SADOMASOQUISMO.
E dispensei tanta gente que queria ficar comigo.
Tanta gente legal.
Vesti um escudo.
Achei que todas as pessoas eram igualmente maldosas.
Maldoso como você foi.
Comigo.
E com o cara depois de mim.
E com o outro cara, depois do cara depois de mim.
E vi algumas pessoas querendo cuidar de mim.
Teve um que chorou e disse que queria me fazer feliz, pediu permissão.
E eu disse não.
E de tanto dizer não.
Acabei dizendo sim.
E eu já não fumava mais.
E eu bebi, mas dessa vez foi pra brindar.
E eu me senti amado.
De verdade.
Pela primeira vez.
E me senti feliz.
E me peguei sorrindo sozinho
Sorriso bobo.
E voltei a amar.
E não era você.
Verdade. Reciprocidade.
E você foi acabando dentro de mim.
Até acabar por inteiro.
E eu passei a dar risada sobre tudo o que aconteceu.
As pessoas me diziam que um dia eu iria rir disso tudo.
E eu ri.
E eu te reencontrei na balada
E não senti nada.
Olhei pro meu namorado e vi um abismo entre você e ele.
Eu só desejei que a tua maldade e que a maldade do mundo nunca atinja quem agora eu amo.
E que ele nunca se corrompa por tão pouco.
Como você se corrompeu.
Que o mundo é sujo eu sei.
Você me mostrou.
Mas é possível sair ileso, basta ser bom. Basta ser do bem, meu bem.
E você me viu feliz com outro alguém.
E me mandou mensagem.
Disse que eu estou bonito.
Que o tempo me fez bem.
E fez mesmo.
E você pediu pra voltar.
Disse que se arrependeu de tudo e que sente muito a minha falta.
Disse que eu fui o único que realmente te amou de verdade.
Há 1 ano atrás eu correria pros teus braços.
E te dava todo o meu amor outra vez.
Hoje eu te deixo esse e-mail.
Que é a única coisa que eu tenho pra te oferecer.
Fica bem e seja feliz.
A gente só vive uma vez.
Aproveita ao máximo.
Aproveita com verdade.
Uma vida de verdade.
Um amor de verdade.
Pra não ter uma vida vazia.
Tchau."

Texto enviado por James Ferracelli

insta: @ferracellijames_real




quarta-feira, 17 de junho de 2015

Jamais esquecerei aquela visão



Tinha acabado de sair de um encontro, daqueles encontros que te deixam na vontade, mais que não valeria a pena envolvimento. Precisava pensar, desci do ônibus e fui caminhando pelo passeio de uma grande avenida, sentei-me num banco e acendi um cigarro, pensava naquele cara, valeria a pena? Perdido em meus pensamentos e entre a fumaça do cigarro, não me dei conta da aproximação de um rapaz, que me tirou do transe! Pensei se tratar de um assalto!
- Desculpa você pode me arrumar um cigarro?
- Claro!
Com um sorriso meu de lado, seus olhos se iluminavam entre as sombras das árvores!
- Obrigado! Chamo-me Frederico, mais pode me chamar de Fred!
- Prazer, Kleber!
Sentou-se ao meu lado e tragou o seu cigarro, olhando pra mim disparou:
- Linda não né Kleber? Esperando a namorada?
Sorri encabulado!
- É linda noite, e não estou esperando ninguém, apenas parei pra pensar, em um cara! Falei sem pensar! Seu sorriso se fez notar sem jeito.
- Então esta pensando em seu namorado?
- Não! Ele não é meu namorado!
- Então porque esta pensando nele? Você o ama? Desculpa! Estou me metendo em sua vida!
- Sem problema Fred! Não amo, é que na ânsia de ter alguém, as vezes estamos propícios a cair em armadilhas!
- Posso te fazer um convite, claro se você confiar em mim!
- Bem mal te conheço, mais algo em você me deixa seguro! Faça!
- Aqui perto tem um local onde da pra ver uma bela vista da cidade! Você quer ver comigo?
Hesitei mais fui!
Adentramos num prédio que parecia um galpão abandonado, subimos as escadas e fomos ao terraço, de onde se tinha uma vista do rio iluminado pelas luzes de uma ponte. Minhas mãos suavam. Ao meu lado senti o seu braço tocando o meu, quando virei-me em sua direção ele me olhava fixamente, sem jeito sorri, e antes que pudesse falar alguma coisa, Fred me pegou pela nuca e levou minha boca em direção a sua. Meu corpo tremeu ao seu contato, sua língua buscava a minha, ao seu toque meu corpo parecia adormecido. Senti seu volume aumentar naquele jeans surrado, suas mãos me apertavam contra ele! Fred guiou-me ate um canto, sua respiração quente na minha pele, seu sabor de cereja fresca, suas mãos. Meti minha mão em sua calça e encontrei um cacete, pulsante, grande, grosso e com veias salientes, meus dedos percorriam o espaço apertado. Senti sua glande melada, passei o dedo pelo o orifício babão. Virando-me contra a parede, arrancou minha roupa. Senti sua barba rala, sua língua por todo meu corpo. Suas mãos grandes abriam minhas nádegas e sua língua me invadia! Delirava de prazer, o toque de sua língua no meu ânus, me tirava quase a consciência.
Decidi que agora era minha vez, o encostei contra a parede, desci suas roupas ate o chão, na minha frente o que eu já havia sentido, um pênis lindo, reto, cheios de veias pulsantes, cabeça rosada, parecia não caber em minha boca. Levantei-o e comecei a passar a língua pelos seus testículos, pra depois engoli-los um a um, sua mão em meus cabelos, pressionava meu nariz a senti o seu cheiro de homem, subi a língua pela sua uretra, chegando a glande lentamente, rodeando-a com a ponta da língua pra depois engoli-la. Fred fodia minha boca, quando disse;
- Não posso gozar agora! Quero tefuder!
Beijamo-nos senti seu pau babado entre minhas pernas. Sentando num caixote, foi me encaixando em seu mastro, senti cada centímetro me invadindo, estávamos ligados, grudados. Minhas unhas cravadas nas suas costas, suas mãos grandes na minha cintura, comandando o ritmo, subia e descia de forma alucinada. Com gestos rápidos mudamos de posição, de quatro, Fred socava-me impiedosamente, puxando meu cabelo, me fazia empinar mais a bunda.
- Quero tefuder todos os dias! Assim, quero você pra mim!
Virando-me de frente, pôs minhas pernas em seus ombros, pra mais uma vez me penetrar com força. Olhando em meus olhos quando me fodia, parecia tentar descobri algo. Debruçando sobre o meu corpo, beijava a minha boca e estocava-me ainda mais rápido. Já estava prestes a explodir quando me punhetando me fez gozar. Pra em seguida gozar sobre mim, e deitar-se exausto no meu peito.
Ficamos ali por alguns minutos, nos limpamos e nos vestimos sem trocar uma palavra!
- Kleber, quero repetir, se possível todos os dias!
- Foi bom, mais estou começando uma história, e não quero perde-lo, ou sei lá o que quero!
- Vamos começar a nossa? Esquece! Você não gostou?
- Gostei muito, mais não posso continuar sendo o sacana que sempre fui!
Beijei-o pela ultima vez e sai quase correndo! Deixei ali um cara bacana pra apostar em outro que não deu em nada! Agora me resta encontrar novamente, aquele cara do sorriso de lado, olhos amendoados e cabelos soltos ao vento!

Musica sugerida: Photograph – Ed Sheeran

sexta-feira, 12 de setembro de 2014

UM REI, UM ANJO E UMA HISTÓRIA CAP.8 A queda do Rei no Réveillon, um anjo sozinho e perdido!

A Falta – Toni Platão – Arthur lembrando-se do seu anjo
Impossível acreditar que perdi você – Toni Platão – Gabriel lembrando-se do seu Rei
Passados alguns dias que tinha deixado para trás o grande amor da minha vida, e já era quase Réveillon conheci André. Cafetão safado que vivia saindo com a Bianca, não a agenciava mais saia com ela. As meninas não tinham agentes, pois diziam ganhar mais. André era realmente muito bonito, por volta dos trinta anos, cabelos lisos e caídos, meio compridos, alto, um corpo normal, olhos que pareciam olhos de gato castanho claro, barba sempre por fazer, boca carnuda e um sorriso safado. Por vezes freqüentava o nosso apartamento, então sempre o recebíamos. Na noite do dia 31, saia do banho de toalha, quando escutei batidas na porta e fui atender:
- Quem é?
- Sou eu, Arthur, o André!
- A Bianca não está aqui, nem a Alice, elas foram pra festa na frente, depois eu vou!
-Me deixaeu ver se esqueci um negócio ai, vai ser ligeiro!
- Ta entra!
            Abri a porta e ele entrou vasculhou o chão e nada encontrou. Olhou-me de cima a baixo e disse:
- Carinha você é gostoso! Ta afin de uma boa foda!
- Sai fora André! Vai embora!
            Levantando com raiva, ele me pegou pelos braços e disse:
- Você vai me servir seu putinho safado, to afin de comer um cuzinho de bicha e é agora, e se você não fizer o que eu quero eu te furo todinho!
-Não! Pelo amor de Deus não faz nada comigo cara, vamos esquecer, não conto a ninguém!
-Anda me chupa!
            Puxando violentamente os meus cabelos e segurando um canivete no meu pescoço me fez chupar o seu cacete, que já babava. Branco, reto, nunca tinha visto um pau daquele tamanho. Forçando a minha cabeça sobre o seu pau, me chamava de putinha, safada. Engasgava, tossia com aquele pau na minha garganta, e por vezes sentia ânsia de vômito. De tanto chupá-lo minha boca já não agüentava mais, sem querer acertei o dente na sua glande e recebi um tapa na cara que me fez cair no chão!
- Não chora sua bicinha, senão apanha mais!
-Para com isso André!
-Cala a boca que agora tu vai levar pau nesse cuzinho!
            No chão, André me virou de bruços, arrancou a toalha e foi se encaixando sobre mim. Senti seu pau forçando a entrada no meu ânus, senti uma dor enorme e tentei sai debaixo dele, mais recebi um soco na nuca que fez com que a minha boca batesse no chão e sangrasse muito. Fiquei sonso. Sem piedade André foi forçando e metendo até o fim o seu cacete, lágrimas escorriam dos meus olhos e molhavam o carpete. Bombando forte continuaram os xingamentos, mordia forte as minhas costas, dizia que eu não esqueceria aquela noite. Sentia cada estocada fundo, e quase aos berros gozou e ficou por cima de mim por mais alguns minutos. Ali no chão fiquei sem forças. Após abotoar as calças, André abaixou, puxou os meu cabelos e disse:
- Essa nossa fodinha vai ficar só entre nós, se você denunciar eu te mato!
            Jogando a minha cabeça violentamente no chão, senti o meu supercílio abrir e o sangue cobrir a minha visão direita. Antes de sair, André me chutou, como quem chuta um cachorro morto. Quase apagando lembrei-me do meu anjo, e como eu queria os seus braços!
Gabriel
            Sentado na ponte sozinho, lembrava-me de um certo Rei. Sentia-me perdido e culpado pela sua partida, mais tinha raiva por ele ser tão cabeça dura. Jú e Ká nada entenderam e apesar do meu isolamento, sempre me ligavam ou mandavam mensagem, quando não atendia o celular, pra saber dele. Já não me alimentava bem, e minha mãe já começava a se preocupar. Não dormia no meu quarto, pois tudo ali me lembrava o Arthur, por onde ele andaria, se estava bem, alimentado, se ainda me amava! Tinha que encontrá-lo, me explicar, mais por onde começar. Os fogos queimavam no céu, e eu estava ali, com uma cerveja na mão, só me restava chorar. De olhos fechados, pensei em seu beijo, senti seus lábios nos meus, vi os seus olhos, seu sorriso. Abri os olhos de sobre salto, ele não estava ali.  Estava convencendo os meus pais de morar na capital pra estudar, mais eu queria mesmo era procurar o meu Rei.

sexta-feira, 14 de junho de 2013

Rick e Tiago - Dupla Penetração



Mais uma vez marquei com o Henrique (Rick), ele havia me dito que tinha uma outra surpresa pra mim. Depois do chocolate, fiquei imaginando o que ele faria comigo, já estava gostando dele e acho que ele de mim.
Às 19:00 horas cheguei em seu apartamento, ansioso, cheguei esbaforido, Rick abriu a porta com um sorriso lindo, estava apenas com uma cuequinha box branca, o que lhe deixou ainda mais lindo pois fazia um perfeito contraste com a sua pele bronzeada. Beijou-me deliciosamente, encostando seu mastro rirge em mim, tirou minha camisa, jogou-me no sofá e deitou seu corpo dourado sobre o meu; beijávamos e eu pensava com estava começando a amar aquele cara, mais será que aquilo era merecimento meu? Era sim! Pois tinha passado por maus bocados.
Rick ficou de joelhos no sofá, levantou minhas pernas e começou a massagear meu cuzinho, que já piscava de tesão, depois pude sentir sua língua macia procurando um meio de entrar sem ser convidado! Rick sugava meu orifício e eu delirando de tesão segurava seu cabelos e fazia força, como se fosse pra ele entrar todo em mim. Estava a mil, quando ele disse que tinha uma surpresa, vendou-me e me conduziu até o quarto; fiquei mais excitado ainda imaginando como seria aquela trepada... tirou minha venda e o susto foi broxante. Na minha frente tinha um cara deitado na cama completamente nu, ele era lindo, branco, corpo definido, olhos claros e um cabelo lisinho que chegava aos ombros, Rick disse que se chamava Tiago, quase não respondi de tanta vergonha, ele ali na cama com seu cacete, branco e de cabeça vermelha,
massageava seu pau que por sinal tinha um bom tamanho e me chamava: vem! Percebendo tamanho meu constrangimento, Rick perguntou se eu não estava afin de dois caras e queria compartilhar com o seu melhor amigo, olhando-o indignado perguntei se fosse sua mulher se ele dividiria com ele também, e ele sorrindo respondeu: você ta longe de ser uma mulher e muito mais ainda de ser minha. Subiu um ódio em mim enorme, e tive impulso de sair, mais resolvi que mostraria pra ele como seria melhor que uma mulher, cai de boca chupando Tiago que gemia e só e dizia: bem que o Henrique falou, você tem uma boca quente e gostosa.
Enquanto Tiago fudia minha boca, Rick metia sua os dedos no meu cú e intercalava com a língua, tentava esquecer que não representava nada pro Rick, subi pelo corpo do Tiago passando a língua naquele corpo branquinho e lisinho, até que cheguei a sua boca rosada e doce, o beijo tava gostoso, mais Rick puxou-me pelos cabelos e disse que não valia beijar o amigo dele, eu o respondi que ele tinha uma boca muito gostosa, Rick me puxou e beijou-me a força, beijei sem entusiasmo, mesmo me corroendo de vontade de responder ao carinho, perguntou-me se Tiago beijava melhor respondi que sim, ele saiu bravo e foi pra sala, não ligamos e continuei a sacanagem com o Tiago, ele me disse que queria meter gostoso em mim, deitei e ele colocou umas almofadas nas minhas costas, levantou minhas pernas e o envolvi pelo pescoço, foi colocando devagar e deitando-se sobre o meu corpo, socava e me beijava, minhas pernas o entrelaçavam pela cintura, fazíamos um papai-mamãe delicioso, gemendo no meu ouvido, e sussurrando baixinho: nossa estou comendo a mulherzinha o Henrique! Tá gostando desse cacete? Respondia que sim e ele perguntava se quem era melhor se ele ou Rick, respondia é óbvio que era ele, pois aquele momento tava delicioso, Tiago lambia minha orelha, e sua respiração quente no meu pescoço arrepiava todo o meu corpo, aumentou o ritmo e gozou, soltando seu corpo suado em cima do meu, enquanto me masturbava, ele me beijava, quando terminei percebi que Rick estava na porta olhando com uma cara de bravo.
Rick pegou-me pelo braço, e foi dizendo: agora é minha vez, falei que tava cansado, e ele me pegou forte, e disse: ou dá ou racha: me colocou de quatro apoiado numa escrivaninha e enfiou sem dó nem piedade, gemi, pois já estava aberto, Rick socava com força, queria realmente me machucar, Tiago vendo aquilo logo ficou de pau duro e me colocou pra mamalo, Rick me chamava de vagabundo,miserável. Eu sabia que algo ele sentia, pois estava com raiva. Ele mandou Tiago deitar e me fez sentar em cima de Tiago, quanto senti no cacete do Tiago fundo em mim, Rick me avisou que faria uma dupla penetração, fiquei apavorado, mais
Rick, praticamente colocou um tubo de Ky no meu rabo e no pau. Forçou a penetração, e conseguiu meter seu pau junto com do Tiago, dos meus olhos brotavam lágrimas, não se de dor ou pelo que Rick tava me fazendo passar. Rick parecia um animal, gritava, falava palavrões e todo direcionados a mim, Tiago colocava sua língua em minha boca. Senti o mundo girar,a voz e as estocadas, cada vez mais distantes, tudo apagou. Acordei estava num hospital, o médico me disse que tinha sofrido um estupro e que tina sido jogado na rua e um rapaz tinha me achado e me trazido, e que ele não tinha se identificado. Chorei, o médico perguntou se eu não queria dar queira, disse que não.
Na manhã seguinte, saí do hospital e fui bater na casa do Rick, ele levou um susto e foi logo querendo me abraçar, o empurrei-o, e uma lágrima desceu do meu rosto, com os olhos rasos d'agua, Rick, me pediu desculpas e disse que eu tinha desmaiado e que meu cú sangrava muito, disse pensar que eu tinha morrido, e também que foram eles que haviam me levado ao hospital, mais que tiveram medo de se identificar, chamei-o de covarde, disse-lhe o quanto tava gostando dele, e ele me falou que me amava que só tinha agido daquela forma por conta do seu amigo, que poderia pensar que ele era Gay, com ódio disse que ele repensasse o seria ser Gay, e o que ele sentia por mim, falei que o que tive foi uma pequena veia que rompeu, mais que estava bem, sai em silêncio, e tem duas semanas que Rick me liga e eu não o atendo! Mais ainda pensava naquelas duas rolas me invadindo!

Pau, lingua e muito chocolate!



Bem como havia contado no conto anterior, estava encantado pelo Rick...no dia seguinte à aquela aventura deliciosa, meu telefone toca, era ele: aquela voz rouca e gostosa falou:
- Oi!Como você está?
Respondi:
-Bem e vc?
-Estou bem, mais estou com saudade da sua boca quentinha...
Apenas sorri e disse: há é?
- Quero te ver hoje, só que mais a vontade. Que vir ao meu apartamento?
Fiquei sem saber o que falar, sentia algo novo por ele mais não queria me machucar como com o Fabinho e sofrer como com o Nando...
-Então, fala alguma coisa, você não quer mais ficar comigo?
Respondi: não é isso, quero muito...
-Ta bem te pego às 14:00 na pracinha, beijo...
Tentei falar que não dava certo mais ele desligou antes, não poderia dar um perdido nele então resolvi que iria.
Quase não almocei naquele dia estava ansioso, pois sabia bem o que me esperava, uma rola enorme e saborosa e uma boca macia sedenta de beijos.
Cheguei 10 minutos antes e ele pontualmente apareceu na hora marcada. Usava um shortinho tipo jogador fininho que deixava suas pernas a mostra e seu volume bem contornado e uma regatinha com delineava seus músculos, não resistir e olhei, ele sorrindo disse: sabia que iria gostar; fiquei sem jeito e formos, tentei disfarçar minha ansiedade, mais estava na cara. Chegamos a seu apartamento e ele falou-me: vou te vendar tenho uma surpresinha. Com olhos vendados levou-me até seu quarto, sempre encostando seu cacete já duro na minha bunda, me falava coisas picantes e de vez em quanto apertava meus mamilos. Tirou minha roupa lentamente, enquanto ia beijando meu corpo, sua boca quente deixava todos os pelos do meu corpo arrepiado, deitou-me na cama e disse agora vem o melhor: senti algo gelado nos meus mamilos, o que deixaram ainda mais durinhos, ele começou a esfregar gelo em todo o meu corpo e depois passava a língua, o gelado com o quente de sua língua me fazia gemer de tanto tesão, Rick colocava gelo sem sua boca e depois me beijava, transferido o gelo para minha, ele disse agora é sua vez, mais não tira a venda; respondi que certo. Comecei por dar-lhe um beijo demorado e ele falou pra eu seguir o caminho e me conduziu ao inicio, era chocolate, passava por seus mamilos e descia, sentia os pelos de barriginha em minha boca, e seu corpo se contorcer de prazer, passei a língua no seu umbigo o que fez ele me puxar pelos cabelos e me dar um beijo cheio de tesão, logo depois me levou até onde tinha parado; logo cheguei à aquele cacete, duro e pulsante, cheio de veias e chocolate, lábia e chupava, enquanto isso Rick segurava meus cabelos forte e me chamava de garotinha gostosa, dizia que iria me foder gostoso e encher meu rabo de chocolate.
Rick tirou minha venda e beijou-me, disse que agora era sua vez, deitei e ele levantou minhas pernas, começou a passar chocolate no meu rabo e enfiar um , depois dois dedos, e subido levantou meus quadris e começou a lamber meu cú, a tirar todo chocolate, parecia me foder com a língua, fui ao delírio, sua boca ávida e sua respiração rápida, aquele homem me possuindo, decidi que me entregaria e que cada um era diferente. Rick posicionou delicadamente sua pica em meu rabo, e foi introduzindo lentamente, ficamos naquela posição de papai-mamãe, enquanto ele me socava me beijava e falava ao meu ouvido que me queria foder todos os dias; minhas pernas envolviam aquele macho, e eu não queria que acabasse,
com a fricção do seu corpo em meu pau acabei gozando, e ele percebendo aumentou as estocadas até que senti ele encher a camisinha de porra.
Ficamos ali agarradinhos, e suados nossos corpos melados e exaustos, beijava-me e olhava em meus olhos. Rick perguntou-me se eu queria namorar com ele, não pude responder, tinha minhas razões, mais ele disse que queria que eu pensasse, respondi que lhe daria a resposta dali três dias, ele concordou e fomos para o banho onde transamos mais uma vez antes de mim de deixar seu apartamento.
bjo galera!
comenta aí!

Fudido no coreto da pracinha


Com aquele calor, com aquele lindo cara na minha frente, tive a certeza que estava vivo, e louco pra transar. O rapaz sugava seu coco e me olhava nos olhos como se quisesse me desvendar, pediu desculpa e apresentou-se: Henrique, me chamo Henrique, mais você pode me chamar de Rick...sorri e disse: prazer me chamo Kleber, e é bom conhecer você, ele retrucou: pode ser ainda bem melhor... sorrimos e o papo fluio agradavelmente, quando já estava ficando escuro, uma chuva dessas típicas de verão começou a cair, saímos correndo procurando abrigo; e encontramos um corro no final da pracinha, estávamos molhados e meus lábios tremiam de frio, aquele frio com o fogo que sentia era um contraste, Rick surpreendeu-me ao passar a mão no meu rosto pra enxugar, nesta hora espremesse, e em um lance tirei os cabelos de seus olhos, Rick foi encostando seu corpo no meu e logo nossas bocas estavam grudadas, sua mão grandes procuravas entradas, e logo aquela mão grande e fria encontrou aconchego quente entre minha bunda, aquele dedo frio friccionava no meu cú que pegava fogo, senti logo seu cacete querendo furar seu short fininho, meti a mão em sua cueca e logo senti a espessura de seu instrumento pulsante...Rick me devorava, passava a língua em meu pescoço e orelha e logo eu estava sem camisa e ele se deliciando com os bicos dos meus mamilos que estavam durinhos de tanto tesão e frio.
Tirei sua camisa e pude visualizar aquele peitoral esculpido de atleta, pois além de correr, também nadava. Saquei sua rola pra fora e chupei-o o deixando ofegante de tanto tesão, sua pica era do tamanho certo, uns 19 com, grossa, sugava suas bolas e subia com a ponta da língua até a glande, onde de uma só vez colocava toda em minha boca. Rick me segurava pelo cabelo e me fodia a boca, temendo gozar, levantou-me e me beijou demoradamente, disse que queria meter gostoso ali mesmo. A chuva caia forte e não tinha uma viva alga naqueles arredores, estava frio mais o calor de nossos corpos nos aquecia. Coloquei minha perna em cima da grade do coreto de onde ele poderia visualizar bem meu buraquinho que há dois anos não via pica, abriu devagar e tratou logo de pincelar meu cuzinho com sua língua macia e quente, quase chorei pedindo pau de tanto tesão. mordendo minha nuca Rick possicionou seu mastro na entradinha do meu cú e foi se encaixando lentamente respirava fundo pois doía um pouco, mais tava valendo, ele carinhosamente foi socando até sentir seu saco encostando na minha bunda, lentamente começou o vai e vem, ficamos um bom tempo naquela posição, até que ele pediu para que eu cavalgasse nele, deitou-se no chão molhado e eu pude deslumbra-me com aquele corpo maravilhoso estendido no chão e aquele belo cacete, duro deitado pra esquerda, os pingos de chuva que batiam naquele corpo lindo e também tocavam em mim sumiam com o calor.Sentei sobre ele e coloquei apenas a cabeça dentro e desci de uma só
vez, Rick deu um gemido tão alto que por um instante pensei que toda a vizinhança tinha ouvido, fiquei ali sentindo aquele pau ir fundo no meu rabo e acelerei as subidas e decidas até que me deitando em seu corpo e beijando-me Rick gozou fartamente, e eu também devido ao tesão e a fricção em sua barriga. Ficamos ali alguns minutos até que a chuva passou, e combinamos de nos encontrar novamente. Feliz, fui pra casa, pois tinha a plena certeza que poderia amar novamente, e que se desse certo Rick seria o cara certo!
Olá amigos, se gostaram ou não comentem, é importante para mim saber de suas opiniões para continuar a escrever!

Levei pau na lavanderia!


Olá essa aventura aconteceu na madrugada de sábado pra domingo passado, fui para uma festa no interior, dessas que tem muito carinha bonito e louco por sexo, usei uma camiseta apertadinha que ressaltava meu peitoral e pra completar o frio deixou os meus faróis acesos, saí da festa por volta das 4:30 da manhã com um casal de amigas e um casal de amigos e eu segurando vela, nos dirigíamos a um balneário quando passamos por um cara que deveria ter uns vinte anos, ele seguia a pé, então resolvi oferecer-lhe uma carona, pra meu espanto ele aceitou, dei a direção a minha amiga e sentei no banco de trás junto ao outros dois e a ele, no carro rolava uma pegação entre os casais e ele só olhando e amassando o cacete, foi quando eu enchi minha mão com naquela pica que já pulsava de tanto tesão, ele abriu os olhos e de imediato começou a acariciar meus peitos, quando chegamos perto do balneário, dei sinal pra minha amiga parar, descemos eu e o rapaz e seguimos procurando um lugar pra fazer sexo, encontramos um lugarzinho que ninguém nos surpreenderia, uma lavanderia abandonada perto da estrada principal.
Entramos por um buraco no muro, e logo que entramos ele foi logo me pegando por trás e dizendo que tinha me visto na festa e que só pensava em me foder, entramos e ficamos perto da pia, tirei-lhe a roupa e fiquei só de cueca, aquele corpo esculpido por trabalho pesado, pois esses carinhas de interior pegam pesado na roça, bem definido e duro, com uma pele branca mais castigada pelo sol, deixei ele louco, sussurrava ao meu ouvido que iria me foder, que iria me meter aquele cacete e que nunca esqueceria. mordiscava as sua orelha e descia a língua até os seus mamilos, o que o deixava ainda mais doido, fui descendo pelos pelinhos loiros que levavam até aquela maravilhosa obra de arte, reta grande, grossa e de uma cabeçona rosada, comecei por baixo pelo saco, que tinha poucos pelos ruivinhos e ele me segurando os cabelos, lábia e colocava na boca, pude observar que ele virava os pés no chão e me pegava com força nos meus cabelos e na lateral da pia, coloque aquele cacete na boca e foi colocando ele até onde cabia, aquele cheirinho de homem se contrastava com sabor doce que tinha sua pica e eu doido pra levar pau no cuzinho virei pra ele e ele encaixou entre minha pernas, perguntou
pra mim se eu queria levar pau, e eu já quase sem voz de tanto tesão, só fiz sinal que sim, então ele tirou uma camisinha de sabor chocolate e me mandou colocar, o que fiz de pronto com a boca, ele me colocou sentado na pia, colocou minhas pernas em seu ombro e tratou de enfiar a língua no meu orifício que já pegava fogo de tanta vontade de levar uma paulada daquelas, sua língua fria no meu cú quente, me fez delirar agarrava sua cabeça pra força-lo a enfiar mais e mais sua língua, levantou e me beijou e o sabor do meu cú em sua boca permanecia, o meu cú já lubrificado facilitou pra entrada daquela maravilha, ele fiu enfiando devagar e quando o seu saco bateu nas minha nádegas, ele começou a estocar mais rápido e mais rápido, o beijava loucamente, meu corpo pegava fogo, e nossos suos se misturavam, ele anunciou que estava prestes a gozar, então decidi que não era a hora, ficamos quietos por uns minutos e então mudamos de posição, coloquei uma perna em cima da pia e outra no chão, e ele de uma só vez enfiou, foi bombando e me levando ao delírio, gozei sem ele me tocar, minha pernas vacilavam, e ele percebendo tirou seu caralho e começou a bater uma deixando só a cabeça encostar na minha boca, aquela pica quente pulsante, ele quase uivava de tão doido que tava, quando sentir explodir em jatos grossos e quente porra em toca minha cara, escoria por , minha boca, e ele me beijou sugando toda a sua porra e fazendo com que engolíssemos juntos aquele leite farto, saí de lá sem saber o seu nome, ele me conhece mas eu não o conheço, se ele tiver afin quando eu voltar no final do ano, ele saberá onde me encontrar!
bjos!

quarta-feira, 16 de novembro de 2011


Não pode ver o comparecer ao velório do Nando, pois só saí­ do hospital uma semana depois, pois os médicos consideravam o meu caso irreversí­vel, e precisa ser estudado. Só fiquei sabendo que o velório do Nando, foi lindo que cantaram sua música predileta, quando minha mãe cantou um pouco da música não pude me conter e chorei... feche os olhos pra não ver passar o tempo, sinto falta de você, anjo bom amor perfeito no meu peito, sem você não sei viver... cada nota que sova da boca de minha mãe feria-me o peito, como um punhal o dilacerando. Minha mãe me abraçou e disse que não mudaria em nada o amor que eu sentia por mim, que quer fosse o Nando, a cicrana não fazia diferença. Olhou-me nos olhos e disse-me que sempre soube de mim, do Fabinho e do Nando e que sempre torceu por minha felicidade. Não conseguia falar só chorava e a abraçava.


Havia se passado um mês, era fim de ano e eu atolado numa depressão que me consumia a força, todos os dias ia ao cemitério e passava horas olhando a lápide com o nome: Fernando Antunes Colbi, amigo e amado! Era véspera de ano novo, quando senti uma mão pairar em meu ombro, senti um frio na espinha, pensava ser ele que tinha voltado, virei com alegria e quando vi minhas faces caí­ram, era a sua mãe, e com um olhar marejado disse: você não teve culpa, sei que ele te amou e você a ele, e sei que nunca vai esquecer do meu filho, o que ele fez você passar foi por desespero, o Fernando ficou inconsolável quando aconteceu aquilo com você, passou três dias vagando, sujo e faminto, resgatamos e depois passou esses últimos quinze dias de sua vida ao seu lado no hospital. Tí­nhamos saí­do, eu e sua mãe, quando o médico entrou em seu quarto e Nando tratou logo de interrogar o médico, o qual lhe disse pra rezar muito pois só Deus salvava você, num gesto de sofrimento e desespero, Nando escreveu-lhe aquele bilhete, e saiu em disparada, meu filho estava disposto a morrer junto com você, mais Deus não permitiu que ele tirasse a sua vida, e Deus o levou, antes do forte impacto, nenhum médico explicou direito mais é como o que o coração dele parou. Ele morreu de amor... não conseguia levantar o olhar; dona Laura, levantou meu rosto, enchugou minhas lágrimas e olhando no fundo dos meus olhos disse: fico feliz por meu filho ter amado uma pessoa como você, sei que sempre guardará meu filho em seu coração, então menino, segui a tua vida, o Nandinho não iria gostar de te ver nesse estado. Dona Laura saiu, e olhei mais uma vez olhei para a foto dele que estava afixada no mármore, senti uma leve brisa em meu rosto, e meu coração ficou mais ameno, era como se aquela brisa, fosse os lábios dele me tocando pela ultima vez!


Tava continuidade em minha vida, embora ainda fosse forte a lembrança do Nando, já me refizera quase cem por cento, já tinha engordado e tirado a barba que me deixava velho e com a aparência de mais doente. Já tinha se passado quase dois anos de sua morte, e eu só lembrava dos momentos felizes que outrora vivera ao seu lado. Tinha deixado de lado aquela vida desregrada, então num domingo resolvi sai e tomar um sorvete. Fui a pracinha do bairro onde crianças faziam um barulho que até era agradável, pedi um sorvete e fiquei pensando em minha vida nesses dois anos, e fiquei de boca entreaberta de lembrar que depois do Nando, nunca mais tinha fodido com ninguém.Logo avistei um carinha moreno, alto, parecia esta fazendo exercí­cios, pois sua roupa colada em seu corpo suado o denunciava, enquanto sulgava seu coco, ele me olhava, e eu que a tempos não paquera fiquei sem jeito. Baixei a cabeça, tentando fugir dos olhares daquele, que despertou novamente o desejo se ser amado, perdido ali naquele misto de tesão e sonho, ouço uma voz rouca: um belo dia pra um sorvete, deve esta gostoso se não tivesse derretido! Levantei o olhar e fiquei constrangido, o sorvete derreteu, acho que meu fogo subiu demais, perguntou-me se poderia sentar e antes que eu respondesse ele já estava em minha frente, nos olhos se encontraram na mesma direção e...




Nando - do reencontro ao fim!


Tinha chegado em casa por volta das 5:00 da matina, depois de uma noite regada com muito álcool e muito sexo,minha mãe já tinha cansado de lutar por minha vida, saia a noite e dormia durante o dia, já não era mais o garotinho de 5 anos atrás, tinha feito 23 anos e meu corpo era outro, porém minha cabeça tinha estava muito confusa. Dormia tranquilamente quando sentir uma mão acariciar o meu rosto...acordei de leve, e pensei ser minha mãe, abri os olhos e sobressaltado levantei-me, não poderia acreditar, mais era o Nando, tinha perdido aquela ar de moleque caipira, estava com um óculos delicado, uma barba por fazer, um corpo forte, de homem, fiquei mudo... com aqueles olhos azuis, Nando percorreu meu corpo sem que pudesse fazer nada, estendeu-me a toalha e com um sorriso disse: você esta nu, esta mais lindo que nunca, minhas faces ficaram rúbias, catei a toalha, enrolei-me e abracei-o. Não pude me conter e beijei-o vagarosamente, e vendo ser correspondido por Nando, deixei a toalha cair, e agarrei com força aquela pica que parecia maior ainda. Nando sussurrava ao meu ouvido que passara noites e noites pensando em mim, arranquei suas roupas e fiz coisas que ele jamais imaginou, lambia seu cacete de forma veroz e cadenciada, antes que ele voltasse de sua ultima tomada de fôlego, já lhe arrancava outros suspiros, escanchado na sua cintura com aquele cacete enterrado em meu anús, cravava minhas unhas em suas costas e escutava de sua boca palavras doces. Estava em transe, num ritmo alucinante de sobe de desce, Nando percebeu que eu iria gozar e aumentou o ritmo, mordia minha orelha e colocava apenas a ponta da lí­ngua na minha boca, gozei em sua bariga, o meu gozo, descia por sua virilhas quando ele, inundou meu rabo sua porra grossa e farta, ficamos ali olhando um no olho do outro.

Eu estava feliz, e o Nando percebeu, disse-me que tinha conversado com minha mãe quando chegou a minha casa, disse ter vindo me ver a dois dias, mais eu estava, simplesmente sumido, que tava preocupado, por que eu vivia em farras e não ligava mais pra nada...minha ficha caiu, o mesmo Nando certinho voltou, levantei e mandei e se foder, disse que ele só prestava pra sexo como sempre, e que não seria um bocó como ele que iria me dá uma lição...estava descontrolado, Nando não se conteve e logo depois ter vestido sua bermuda, eu ali falando palavras pesadas, e socou o rosto, o que me fez cair sobre uma escrivaninha e bater com a cabeça...Fatos narrados por uma carta.

“Meu amor, não posso viver com essa dor de ter te ceifado a vida, fui um covarde, jamais poderia ter feito, ou agido com você daquela forma, quero te pedir perdão e partir ao teu lado, quero pedir desculpa a sua mãe por ter tirado o seu bem maior, e dizer a minha famí­lia que não poderia carregar a dor de ter colocado fim no que eu mais amei na vida, e que logo você estará comigo!”

Fernando

Nando tinha me vestido e me levado a um hospital, falou o que aconteceu, avisou todo mundo e saiu. Passou dias vagando, e quando voltou passou dias ao meu lado em coma, meu estado era crí­tico e desenganado pelos médicos, Nando chegou ao estremo e deu fim a sua vida, numa tarde de sol do mês de novembro.
No mesmo dia despertei como num milagre, e a ultima lembrança que me veio foi o Nando ao meu lado falando: levanta meu amor, tens tanto a viver, resolvir partir e te dá a minha vida, pois a minha não seria completa sem você ao meu lado, sempre estarei com você, e sempre estará comigo, sigo em frente, pois o meu amor jamais morrerá, viverá sempre com você! Uma lágrima correu dos meus olhos, e visualizei minha mãe em prantos com um tercinho nas mãos, ela me beijou a face, e eu consegui balbuciar: O Nando se foi, ele me deixou... minha mãe entre lágrimas, fez sinal que sim, fiquei parado, minha mãe achara a carta que Nando deixou em minha mão, e a esta altura já sabia que eu e ele tí­nhamos um caso. Eram 23:00 daquele dia fatí­dico, Nando segundo relatos saiu transtornado do hospital e segundo consta, seu carro caiu num desfiladeiro na subida da serra. O mais impressionante, é que segundo a autopsia, Nando não morreu com a colisão do seu carro, não forra suicí­dio, foi de causa natural. O que me fez entender que Nando tinha trocado de vida comigo, e tinha morrido de amor...

Dando no cineminha!


Estava decido a esquecer o Nando, então resolvi ir a um cineminha gay que um amigo havia me falado, era um lugar de pegação, sexo anônimo; bingo! Era o lugar certo. Coloquei uma calça colada e uma camisa que marcava meu corpo, tinha certeza que chamaria a atenção. O lugar não era dos mais limpos, o cheiro de esperma pairava no ar, mais aquilo me excitou muito. Logo começaram os olhares, um carinha baixinho e um outro começaram a me olhar, logo um deles passou por mim e deu uma piscadinha, ele se dirigiu ao Dark Room (quarto escuro) e o outro logo em seguida, meu corpo estremeceu, numa mistura de medo e tesão, fui até lá, quando entrei um deles veio passando a mão em minha nuca e me falou ao ouvido com voz mansa de cansada de tanto tesão, perguntou-me se tava afim de um só não mais de dois cacetes, falei que sim, ele fez sinal para o outro que foi logo encostando em mim por trás, pode perceber sua geba encostando no meu rego, meu corpo esquentou, e mais ainda quando o outro me agarrou bela frente e me deu um beijo de lí­ngua muito demorado, e aos poucos fui percebendo seu pau crescer encostado no meu que a essa altura já estava duro feito concreto.

Fomos para uma cabine, e um deles, o baixinho branquinho, que tinha um corpo legal, e uma pica maravilhosa, nunca tinha visto um carinha que só não cresceu na vertical, pois na horizontal se desenvolveu bem, nossa que cacete, o outro mais alto e moreno, era normal, sua pica dava pra fazer no truque! Tratei logo de abocanhar o branquinho que era do tamanho da minha vontade, enorme e fiquei punhetando o outro. Logo troquei, fiquei de quatro para mamar um, enquanto o outro passa o dedo no meu rego e começava a enfiar um dedo, e pra minha surpresa ele caiu de boca, me fudia divinamente bem, fui ao delicio e quase engulo a neca do outro que estava louco. Logo o branquinho tirou a lí­ngua e começou a introduzir aquele mastro escomunal, quase grito de dor, era enorme, mais ele com jeitinho meteu até eu sentir os pelos do seu saco bater no meu rabo lisinho, fodia muito enquanto o outro me beijava, pois o moreninho não queria gozar. Logo tava deitado uma espécie de cama e aquele homem em cima de mim mandando ver, o seu corpo suado colava no meu e suas gotas de suor escoriam pelo meu corpo, enquanto estava com a cara enfiada entre as pernas do outro... mordiscando minha orelha foi anunciado o gozo, estocadas e mordidas mais fortes, senti o jato de porra saindo e enchendo a camisinha, logo trocaram de lugar, e na ora da troca pode perceber que tinha uns caras olhando pela pequena vidraça, o que me excitou mais ainda, nenhum deles se importou com a platéia, também gostavam de ser desejados. O moreninho logo veio e enfiou com tudo em mim, pois o buraco já estava feito, estocou, e o outro já estava no ponto de bala quando o moreninho lavou que iria gozar... gozou e ficou deitado sobre meu corpo suado e eu quase sem forças, pois já tinha gozado com, os dois ainda tinha que dá conta do branquinho que queria outra vez, reiniciamos o ciclo que perdurou pela tarde inteira, acabamos meu estoque de camisinha, e meu cú ficou doido por dias... há bem não foi totalmente anônimo, pois o nome do baixinho era Ronaldo e do moreninho Bruno; trocamos de telefone para marcarmos outra foda!

Sai do cineminha esgotado, mais feliz, tinha fudido horrores, e ainda não tinha lembrado do Nando, que deveria ta fodendo outros caras onde ele estava! por um momento fiquei triste e uma vontade de chorar me tomou com força, mais fui mais forte, não deixaria aquela lembrança me abater! Rasguei o contado dos meninos, pois não queria repetição, queria novidades da próxima vez. Sai sorrindo e arquitetando oque iria fazer no dia seguinte pra foder...

Fabinho – Não era amor! - Final


Sabia que o amava, mais não poderia dividi-lo com Sara nem com ninguém, então prefere deixa-lo apenas para ela. Nando sempre estava ao meu lado o que acabaça muitas vezes, cansando-me. Já era Ano Novo e as férias já tinham começado, já não via o Fábio com freqüência, e até preferi assim. Na noite que antecedia o ano novo senti uma falta enorme dele, pois já faziam três anos que passávamos o natal juntos, mesmo com Nando ao meu lado sempre me dando força e tentando fazer esquece-lo.

Faltavam 5 minutos para a queima de fogos, então foi até o fundo do quintal como se tivesse uma esperança de encontrar o Fabio lá, sentei-me num velho banco quando os fogos clarearam tudo e uma mão no meu ombro me deixou sem respiração, era ele, pois o conhecia pelo seu toque, virei-me e seu olhos brilharam junto aos fogos, perguntei o que ele fazia ali, ele disse que tinha lembrado de nós, como eu...eu disse que não tinha lembrado dele não, tinha ido ali fazer xixi, e que o Nando tava me esperando, ele encostou em mim, com aquele corpo quente e perguntou se eu ainda o amava, pois ele sim, e me queria de volta que tinha terminado tudo com Sara a algumas semanas. Fiquei calado com suas mãos trêmulas, Fabio me envolveu num beijo quente, quando dei por mim estava em seu colo cavalgando sua mareta e o beijado, na hora voltei a chamá-lo de Fabinho o que ele percebeu e chamava-me de meu amor, queria que terminasse com Nando, foi quando disse que não tinha nada com ele, que era só pra machucá-lo... respondeu-me que o tinha machucado, em pensar que eu amava outro cara, abraça-me, beijava-me enquanto os últimos fogos queimavam, pude sentir o seu jorro de esperma me invadindo, gozei agarrado com ele ficamos calados nos olhando... nos limpamos e Fabinho foi comigo pra festa em minha casa, de longe pude ver a Cara do Nando, e olhou triste e saiu.

Deixei Fabinho conversando com algumas amigas e discretamente, fui atrás de Nando, sentado na esquina no chão, com uma bermudinha branca, e uma camiseta da mesma cor no ombro, de cabeça baixa, sentei ao seu lado, pedi desculpa... fitou-me o olhar com um menino que acaba de perder o seu brinquedo preferido, sem dizer nada, Nando desabafou: você gosta de ser humilhado, rejeitado, ser usado como uma Putinha, você não presta, você é um via... paf! Dei um tapa na cara do Nando e com os olhos em lágrimas esperei ele bater de volta, ele olhou-me, e armou-se pra me devolver o tapa, mais em vez de bater-me, beijou-me, com nunca ninguém tinha beijado-me, senti algo diferente, não era tesão, minhas pernas ficaram bambas é como se tivesse saí­do do chão, então Nando disse: você não entende eu é que te amo de verdade... Nando saiu correndo em direção a sua casa e eu fiquei ali naquela esquina tentando entender o que tinha sentido. Fabinho chegou e perguntou o que eu estava fazendo ali, disse-lhe que estava olhando as estrelas, e tomando um ar. Fabinho lembrou-me que logo eu faria 17 anos, ri e fomos para casa.

Duas semanas se passaram, e chegou o meu aniversário, Nando quase não falava comigo, mais eu sentia a sua falta, mais mesmo assim ele foi para minha festinha onde só tinha alguns amigos, Fabinho tava lindo com uma camisetinha colado ao seu belo corpo e uma calça jeans justa, que deixava seu volume ainda mais gostoso, pegando-me pelo braço Fabinho disse que queria me dá um presente, fomos ao meu quarto, chegando lá Fabinho desabituou a calça, e para minha surpresa, tinha um laço lindo enrolado em seu cacete deslumbrante, não percebi que tinha uma pedra, uma àgua marinha, e mesmo assim chupei seu cacete loucamente, transávamos, mais algo me dizia que era o fim, que não era amor, apenas um tesão, sexo, pensei no Nando e meu coração disparou... terminamos, e Fabinho triste disse-me que tinha uma notí­cia a me dar, perguntei o que foi, e ele disse: cara eu te amo demais mais agora sei, que nunca vou assumir isso pra ninguém, a Sara ta grávida e os pais dela querem que eu case... pra minha própria surpresa não tive nenhuma reação, e até tive, mais não entendia o porquê!

Fabinho perguntou se eu não ficara com raiva, respondi que não, e se eu queria continuar com ele escondido, respondi que sim... foi ai que me olhando disse-me que não queria mais ficar comigo, pois eu amava o Nando, e me deixaria ser feliz... um fogo tomou conta de mim, ali pude perceber que realmente o Nando era quem eu amava, sempre do meu lado, me dando carinho, me dando amor e eu só tinha olhos pro Fábio. Fábio me deu um último beijo e saiu.

Quando saí­, com um sorriso enorme do rosto, meu olhar cruzou com o do Nando e sem falar nada ele percebeu eu o amava, foi até fora, e eu atrás dele, nos encostamos em um carro, e eu ofegante só pude disser: você é quem eu realmente am...Nando beijou-me, pude sentir suas lágrimas molhando meu rosto e minhas se misturando as deles, estávamos felizes...

Chegou ao fim o que eu pensava ser amor, foi bom, mais era apenas sexo.

terça-feira, 8 de novembro de 2011

Sem rumo, e louco por sexo!


Nando era maravilhoso, dava-me atenção e amor, mais me faltava algo. Acho que gostava mesmo do jeito moleque do Fabinho, do risco que corríamos de ser pegos, da sua falta de compromisso. Queria aventura, algo diferente, Nando só se servia de feijão com arroz, então resolvi terminar, gostava do Nando, mais não era como homem apesar de ter uma boa pica, não era o suficiente.
Mais uma vez foi pra casa do Nando, pra transarmos, mais decidi que seria a ultima vez, fizemos amor feito loucos, virei uma putona na cama, Nando me pegava de quatro e me estocava com força, e colocava pra chupar e fazia-me sentar na sua mala branca de cabeça rosada, evitava beija-lo, como uma profissional do sexo faz, apenas sexo, mordia-o com força o que o deixava mais louco, transamos até a exaustão, quando o relógio marcou 4:00 da manhã sentei na cama e vesti minha roupa, Nando sem entender perguntou pra onde iria e falei que iria embora, perguntou-me o porquê e o respondi que essa tinha sido a ultima vez em que ficávamos juntos como namorados, se ele quisesse, dali pra frente seria só transa. Uma lágrima correu seu rosto, e eu decidido a viver uma história tórrida sai sem olhar pra trás. Fiquei mais de uma semana sem ver o Nando, ele me evitava a todo custo, foi então que uma noite ele me pediu que fosse lá em sua casa, eu de pronto decidi ir, pois tava morrendo de vontade de dá uma, cheguei em sua casa e fui logo descendo a sua calça, mais pra minha surpresa Nando não tava excitado, disse-me que queria apenas conversar, falei que tava sem tempo que iria sair, falou-me que seria breve, então disse-me que partiria na manhã seguinte pra morar com sua irmã em outro estado e sentiria muita falta de mim, mais essa viajem dependeria de mim, se eu pedisse que ficasse e voltasse a ser só seu, ficaria. Meus olhos marejaram e dei um leve beijo, olhei em seus olhos e pedi desculpas, mais não poderia fazê-lo feliz, sai.
Sai meio atônito, mais como já tinha feito 18 anos, tudo era diferente, agora poderia sair e me jogar, logo a lembrança de Nando foi passando. Fui a uma boite gay, sozinho, vestia calça justa, rasgada nas pernas (era moda), camiseta vermelha, entrei e fiquei deslumbrado com as luzes e com a música. Tocava uma musica da Cher, Belive, comecei a me mexer e resolvi ir ao bar e pedir uma cerveja, reparei num cara mais velho que eu talvez uns 35 anos, me encarava como um lobo mal quero devorar-me, olhando as pessoas bonitas ao meu redor não reparei a aproximação do cara, e ele foi falando de mansinho no meu ouvido, perguntou se eu estava sozinho, respondi que sim e ele perguntou se poderia pagar uma cervaja pra mim, aceitei e depois de umas cervejas eu já estava aos beijos com aquele cara. Saímos da boite e eu, meio tonto entrei em seu carro, indicando onde eu morava, saímos e numa rua escura perto de casa ele parou, meu coração disparou, e de súbito ele me beijou e me colou pra mamar aquele pau de homem, com tamanho, gosto de cheiro de homem, me levantou e tão rápido como colocou a camisinha, se encaixou por cima dele, subia e descia alucinado, ele gozou mordendo o meu pescoço, e eu bati uma ainda sentado em sua pau. Ele parou perto de minha casa, quando de repente a porta da casa de Nando se abre e ele vai saindo com coma mala e uma mochila, fiquei sem graça e sai do caro sem ao menos perguntar o nome do cara que acabou de me foder ou ao menos o telefone. Nando me fitou de forma doce, porem com tristeza. Perguntei se ele já ia embora, e ele veio logo com outra pergunta: se era isso mesmo que eu queria virar um desses caras que transa com todo mundo, que eu não o Kleber que ele conhecia. Fiquei calado e ele desabafou: só queria te fazer feliz, ficar ao seu lado, pensei que você tinha aprendido com o Fabinho, mais talvez o culpado de não ter dado certo com ele foi sua, agora você vai virar um desses carinhas que transam com todo mundo... meus olhos calaram-se de tristeza e uma lágrima esquentou meu rosto nos primeiros raios de sol da manhã, fui saindo e ela pegou no meu braço e me virou, me deu um abraço e disse que me amava, que iria embora porque não queria me ver sofrer, e que um dia eu iria notar a burrada que tava fazendo em minha vida!
Fui pra casa, minha mãe brigando porque cheguei só pela manhã, não escutava, entrei no banho e chorei, não sei se de saudades do carinho do Nando, da falta de compromisso do Fabinho ou de medo em descobrir o que minha vida se tornaria! Estava sem rumo, mais louco por sexo!

Fabinho – As mulheres em nossas vidas! II


Criei coragem e voltei agora calmo, pode conversar melhor com o Nando, ele foi logo pedindo desculpa pelo beijo e disse que sentia um tesão enorme por mim, só que tinha caído fora quando percebeu o meu lance com o Fabinho, que chegou a nos seguir e ver nós dois transando o que lhe rendeu uma bela punheta. Não pude me conter e dei-lhe um selinho, mais foi mais carinho e contei-lhe que amava o Fabinho, que não poderia enganá-lo, disse que entendia, e seria paciência, pois eu seria o primeiro homem de sua vida, notei que Nando estava de pau duro, mais não fiz nada, então ele perguntou-me se poderia bater umazinha me olhando, sacou sua bela pica pra fora, branca, cabeça rosada além de ser grande e grossa era bem reta, linda, começou pegando em mus mamilos, o que me deixou arrepiado, mais sem ação; encostou e pediu pra me beijar e eu cedi, o tesão falou mais alto sabia que ainda amava e pensava no Fabinho e ele também sabia, mais me entreguei. Nando tirou minha roupa e foi tomando meu corpo como uma febre, me chamava de seu menino e queria me fazer feliz, colocou-me de costas e enfiou a língua no meu buraco, que até aquele dia só o Fabinho tinha feito aquilo, sua língua macia me incendiou, então foi minha vez de retribuir sua gentileza, segurei seu cacete e vi o Nando ficar rosado de tanto desejo, comecei pelos seus sacos e coloquei alga gelada em minha boca e com gelo e enfiei só a cabeça de sua rola em minha boca, o gelado em contraste com o quente de sua boca o fez quase gritar, anunciando o gozo, aprofundei a chupada, o que fez ele jorrar leite quente na minha garganta, me puxou e beijou-me, ajudando me a engolir a sua porra, gozei beijando sua boca e pensando no Fabinho, o que me fez ficar ainda mais triste e sair daqui correndo ao prantos.
No outro dia, Nando foi até minha casa, e eu com vergonha do que tinha feito, ele me acalmou dizendo que foi maravilhoso, e que me entendia, e mais uma vez disse-me que teria paciência que eu seria apenas dele, abracei-o. Mais amava o Fábio o que não sabia é que naquele mesmo dia iria encontra-lo, e pra piorar com Sara, ela veio até mim toda sorridente pegando na mão dele, e eu com um sorriso sem graça, só pude ver a cara dele, meio triste, ela disse-me feliz, você já sabe que estamos namorando há quase um mês? Eu falei surpreso (pois só sabia de umas três ficadas), há é, então somos dois que não sabe muita coisa... Fábio arregalou os olhos e me mandou calar a boca, e Sara sem entender perguntou o que estava acontecendo; eu disse que iria explicar, e ele fez uma cara de quem iria me matar; quando eu disse que também estava namorando, só que ainda era segredo... com seus lindo olhos, Fábio, pois agora era Fábio me fitou de maneira que Sara não percebeu, e com os olhos brilhando de água chamou Sara pra sair, fiquei de coração partido, mais não poderia deixar o Fábio perceber que eu estava derrotado!
Quando cheguei em casa, o Fábio estava os berros com o Nando, então entrei no meio e perguntei o que tinha acontecido, e o Fábio nervoso e choramingando perguntou se era para aquele otário que eu tava dando; respondi que Nando era meu namorado, e que ele cuidasse da Sara, que era a sua. Fábio pegou em minha nuca encostou sua boca perto da minha e olhando nos meus olhos perguntou-me se era aquilo que queria, perde-lo, pra sempre; baixei a cabeça e Fabio saiu sem dizer nada; Nando só me olhava, e me deu um abraço, eu o pedi desculpa por ter mentido e ele disse que se quisesse seria verdade... me despedi e fui pra casa entristecido.


Fabinho – As mulheres em nossas vidas!


Já estávamos já dois anos juntos, na cama tudo era bom, Fabinho sempre foi metido a conquistador e sempre ficava com uma garota ou outra, mais nada a sério, dizia-me que era pra disfarçar. Até que apareceu uma garota que estuda na minha sala, a Sara é linda moreninha, corpo lindo, cabelos longos e lisos, olhos negros fito duas jaboticabas, de ta inveja até em mim... Fabinho ficou com ela umas três vezes, e eu sempre fingindo acreditar que era só disfarce. Fabinho me chamou num canto da escola e disse-me que queria me comer, pois já fazia uma semana que havíamos transado, então encontrei com ele ás 22:30 no quintal de minha casa, ele chegou meio ofegante, e foi logo me colocando pra mamar, chupei seu cacete calmamente, fazendo-o se contorcer de prazer, tirei seu pau da boca e tentei beija-lo, mais ele meio que ficou de cara virada e só beijei o cantinho, perguntei o que havia ele disse que tava com uma afta, e não queria me passar, fingi que entendi, ele deitou-se no chão e eu logo estava por cima do meu homem cavalgando e gemendo de prazer, tinha ele dentro de mim, mais sabia que algo estava acontecendo gozamos juntos, então ele se vestiu e já ia saindo, quando perguntei o que havia e tentei beija-lo novamente, mais uma vez ele se esquivou, disse-lhe que já sabia de seu namoro com Sara e ele me confirmou que tava gostando dela... nesse momento o fiquei sem chão, meu estomago ficou revirado, saí dali correndo e foi pra rua, para minha surpresa Fabinho me seguiu e sem ninguém de minha casa perceber, fomos até o meu da rua, ele dizia-me que com ela era diferente, que poderia come-lá, que ela tinha uma coisa que eu não tinha, pois só comia cú de viado, nessa hora tentei esmurra-lo, mais como era mais forte que eu colocou-me contra parede, e poxou-me para dentro da casa abandonada, disse que eu apenas dele, mais ele não era meu, então eu disse que não seria dele e nem de ninguém, ele beijou-me, mais já o que sentia naquele momento era uma espécie de nojo e tristeza, o que acontecera com o cara pelo o qual me apaixonei, desvencilhei-me de seus braços e sai correndo.
Ainda atônito e chorando, encontrei o Nando na porta de sua casa (éramos vizinhos), cabisbaixo não notei a sua presença, quando ele tocou-me o ombro, e de súbito eu disse: não quero mais te ver Fábio sai da minha vida – quando virei fiquei sem reação, ele calmamente pediu-me calma, perguntou se eu não queria conversar, pois estava só em casa e eu poderia dormir por lá, aceitei e liguei pra minha casa avisando, pois não poderia chegar em casa daquela forma. Tomei uns banhos na casa do Nando, e depois sentados em sua cama, eu ainda choroso, Nando perguntou-me se Fabinho tinha me machucado, por que se tivesse ele o pagaria, eu disse que ele não tinha me agredido como aconteceu uma vez, e pra minha surpresa Nando disse: e de outra forma, eu sem querer pensar que o Nando sabia, disse que não tinha entendido, e ele disparou: eu sei que você gosta do Fabinho, sei que vocês são namorados... fiquei sem ação e perguntei se ele era louco, foi quando ele pegou na minha perna e disse que não tinha problema que gostava de mim mais que eu nem imaginava o quanto... fiquei calado chorando, Nando enxugou meu olhos e disse-me que o Fabinho não me merecia que eu poderia ser feliz com outra pessoa...(o que ele não sabia que em minha vida só existia o Fabinho), de uma vez Nando beijou-me, seu beijo era quente suas mão procuram me enlaçar, tentei reagir, mais ele me dominou por inteiro caindo sobre mim, pode sentir seu pau encostar em mim, mais não tinha tesão naquele momento, o que só me fez chorar ainda mais, até queria vingar-me dele mais não conseguia não era certo com o Nando, então Nando deitou-se do meu lado e disse que compreendia, e poxou-me de encontro ao seu peito, fez cafuné até que peguei no sono, acordei com suas carícias na manhã seguinte, e queria ir logo pra casa, ele disse que fosse mais voltasse, pois seus pais só voltaria à noite.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | GreenGeeks Review